[ editar artigo]

Pão de preguiçoso na versão multigrão

Pão de preguiçoso na versão multigrão

Acumulo uns grãos ali, umas sementes aqui: painço, comida de pássaro, que eu amo, quinoa, lembrança do Peru,  sêmula-de-trigo, aveias que sobraram da última granola feita em casa, gergelim, sementes de jerimuns que eu retiro e seco, e por ai vai. Os grãos, do tipo supergãos por serem muito nutritivos e com outros benefícios para a saúde, se acumulam - enfim não é todo dia que a gente quer comida ultra-saudável. Juntos vão compor a versão multigrão do meu pão de preguiçoso! Li que até granola pode ser misturada.... . A única alteração que a minha receita sofra, claro que  não precisa ser sovado também não, é, antes de misturar tudo, demolhar os grãos mais duros com água quente. - Ah, mais uma observação: Faltará o trigo para quibe. Já virou um outro pão integral. Uma primeira tentativa. 

As vantagens de um pão multigrão? Para quem já tem todos esses grãos a mão, acho que não precisa explicar que cada um traz um outro benefício para a nossa saúde além de melhorar a digestão. Grãos integrais mantêm a fina casquinha que os envolve. Contém por isso mais fibras, vitaminas e minerais por conter muito mais fibras do que. Pessoalmente me interesse mais o seu sabor mais complexo e a consistência de um pão mais massudo, rústico.

Quem quer se afundar no assunto - naquele cantinho saudável do supermercado ou nas lojas especializadas eu ainda encontraria mais alternativas ultra saudáveis que poderiam compor o meu pão. Nutritivos, cheia de fibras, resumindo extremamente benéficos para o corpo: Gérmen-de-trigo ou linhaça por exemplo, chia, claro farinha de trigo integral ou, melhor ainda, a farinha de centeio. Essa dá outro gosto! Mas também poderia, já deu super certo no meu pão de milho, colocar uma parte de fuba/milharina e goma de tapioca, mais acessíveis e locais ou uma parte da minha querida farinha de pupunha... .  

Uma vez composta a fórmula, nela cabem o que você tem na despensa, mão na massa! Faço questão de raramente repetir! Dou, boa dona de casa, primeiro um fim ao que sobrou.

Receita

supergrãos da sua escolha, mais ou menos um copo

3 copos de farinha de trigo normal, em parte ou por completo integral ou farinha de centeio

metade de um saquinho de fermento biológico

1 - 11/2 colher (chá) de sal

2 colheres (sopa) de azeite a gosto

1 3/4 - 2 copos de água, metade fervente, outra metade em temperatura ambiente

1 punhado de grãos e sementes para cobertura

O próximo passo é importante - medir a quantidade de grãos! Enfim substituirão uma parte da farinha.

Qualquer grão mais duro, incluiria aqui também o trigo para quibe e o fubá/milharina, precisa ser escaldadas com água quente. As aveias? As deixei de fora. Essa aveia é, gostos não se discute, já é bastante fina e não precisará ser demolhada. Oferecerá no seu estado natural, uma certa resistência aos dentes ao morder uma fatia do pão pronto. Quem quer incluí-la, fique a vontade. Vou medi-la depois.

Quem tem a mão umas castanhas, uns nibs como costumo fazer da semente de cupuaçu ou cacau ou frutas cristalizadas dando sopa por ai, aguardando um destino adequado, pode incluir a vontade. Nem precisa descontar das medidas básicas.

A mesma coisa vale para especiarias. Comi uma vez no Peru pãezinhos que foram preparados com um chá de ervas no lugar de água. Entra tanto erva-doce quanto pau de canela. Os meus favoritos são comino e coentro em grãos. Para não exagerar, também podem ser usados somente na cobertura.

3/4 copos de água para dar uma amolecida nos grãos mais duras.

Molhados, os grãos restam por meia hora, tempo suficiente para tufar e amolecer.

Agora junto o restante dos ingredientes. A farinha vale peneirar. Acrescendo a água aos poucos para acertar o ponto. Misturo com uma colher de pau. A consistência da massa e pesada, rústica. Acrescento água até consigo com certo esforço juntar a massa com uma colher de pau. Se fosse mais líquida, ela iria crescer menos. Agora ela será coberta por pano e restará entre 12 - 18 horas, ou uma noite num lugar quentinho.

No outro dia a massa dobrou de volume.

Com ajuda de um pão-duro ou dois garfos dobro as bordas sobre o meio.

Já preaqueço o forno em temperatura máxima. Untada a forma ou a panela, derramo a massa para dentro. Com uma faca afinada corta a superfície onde quero que o pão abrir. Também poderia fazer outros cortes, por exemplo diagonais. Ao lado já piquei a mistura para cobrir. Usei as sementes de jerimum, aveia e o gergelim.

A mistura vai por cima da massa. Quem não quer cobertura, pincela com um pouco de água com sal.

Pão pronto para ir para o forno preaquecido na temperatura máxima. Será assado por 35-40 minutos. Está pronto quanto amarronzou e a crosta emite um som oco ao ser batida com uma colher de pau.

O pão deve esfriar sobre uma grade. Bom apetite!

Pão multi-grão com trigo para quibe. Uso 1 xícara de trigo para quibe. Abafo com 3/4 xícara de água fervente e deixo descansar por meia hora. Usando outros grãos como quinoa, esses vão juntos. Depois acrescento 3 xícaras de farinha de trigo e mais 1-1 1/4 de xícara de água, o fermento e o sal. Fica macio mesmo os grãos oferecendo uma certa resistência aos dentes e com um gosto de castanhas por causa do trigo para quibe. O próximo vou ainda pincelar com salmoura para ficar mais bonito e menos pálido.... 

O BOTO - Alter do Chão
Susan Gerber-Barata
Susan Gerber-Barata Seguir

Suíça com passagem por design e jornalismo de moda. Apaixonou-se tardiamente pelo Brasil e mais tarde ainda pela Amazônia, especialmente a culinária amazônica. Cozinha, escreve e fotografa livros, uns sobre culinária amazônica.

Ler matéria completa
Indicados para você