[ editar artigo]

Quer discutir essa tal de "fake news"?

Quer discutir essa tal de


Hoje em dia qualquer um se vê obrigado participar, se mostrar e se movimentar em redes sociais. Quem as usa deve ficar atento - Fake News infelizmente estão em qualquer lugar.

Esse post quer contribuir na discussão do que é "Fake News". Quer chamar sua atenção! Como você lida com o conteúdo que cai no seu colo, enche a caixa de entrada ou seu querido zap.

Nosso jeito de comunicar e nos informar mudou por completo nos últimos anos. Acontece que hoje em dia qualquer pessoa pode postar o que bem entende. Todos nós sabemos que nas redes tem gente de todo tipo, também pessoas com más intenções. Essas pessoas, políticos ou instituições gostam de usar as redes a seu favor, elaboram e fazem circular conteúdos tendenciosos, inverídicos ou até falsos. A grande desculpa é que a expressão deve ser livre. Mas eles usam a ferramenta tão maravilhosa da internet para transformar mentiras em verdades.

Fique esperto e não repasse qualquer mensagem ou conteúdo, especialmente essas. Algumas mensagens ou conteúdos poderiam ser, infelizmente, fake. A mesma lógica, lógico também vale para todos os tipos de fotos ou vídeos disponíveis nas redes sociais. 

A tecnologia da internet e os seus desdobramentos é muito jovem. O uso comercial da internet data do ano 1990. Facebook, You Tube e Twitter nasceram por volta de 2003/4 e revolucionaram o nosso jeito de nos comunicar.

Tudo isso tornou o nosso mundo cada vez mais rápido, complexo e perturbador. Tudo que no fundo, no fundo ninguém quer. Somos humanos e gostamos de estar no controle das coisas. Também temos a necessidade de entender o mundo, e com isso muitas vezes queremos explicações descomplicadas. Aqui é onde as redes entram. É tão bom achar alguém, ou melhor ainda alguma rede social, que ajude entender, simplificar. Que dá respostas claras, rápidas e simples para perguntas complexas.

Cuidado! Como o provérbio diz "Quando a esmola é demais, até o Santo desconfia."

Mas vamos por partes. O que significa mesmo esse termo? O termo "Fake News" vem do inglês. Fake = falso, News = notícias e pode ser traduzido como "Notícia Falsa". Basicamente é uma notícia que circula, hoje em dia com velocidade assustadora podendo trazer inverdades, informações falsas ou até ofensas.  

Para abrir a discussão um convite - assiste ao trailer oficial do filme brasileiro - Aos Teus Olhos - da diretora Carolina Jabor. Este filme nós leva no meio de uma discussão nada fácil, nada agradável mas muito atual sobre os limites das redes sociais.

- Aos Teus Olhos - mostra um professor de natação, Rubens que dá aula para crianças. Um dos seus alunos o acusa, de lhe ter dado um beijo na boca. A mãe da vítima, sedenta de justiça, decide compartilhar a denúncia nas redes sociais. O professor de repente se vê no meio de um furacão de acusações, uma bola de neve que logo está fora de controle. 

Sem julgar se é verdade ou não, enfim é um filme só, mas ele nos leva a certas reflexões. 

Usando qualquer rede social, You Tube, Facebook, Instagram, Google ou outros, estamos subjugados ao poder de algoritmos.

Mas que bichos são os algoritmos? Algoritmo é nada mais do que uma poderosíssima ferramenta que analisa em fracções de segundos as suas predileções, hábitos e gostos de consumo e coloca - e ai é o problema - na sua frente tudo que você possivelmente já mostrou que gosta, poderia gostar, além de amigos e conhecidos que você poderia encontrar virtualmente etc.. Prático, né? Legal?

Usando redes sociais esses mesmas redes aprendem muito sobre você. Sabem que livros, roupas ou geladeiras você comprou, para onde você viajou e também da sua orientação política, religiosa etc.. Eles usam isso, e ai onde entra o algoritmo, para você sempre fica entretido, ganha um monte de novos amigos e se torna cada vez mais contente. Com isso você consome mais. Prático, né? Legal?

Sim ou não. Como o algoritmo é poderoso e trabalha o tempo todo, a sua visão do mundo se torna mais limitada. Graças ao algoritmo você lê só conteúdo que confirma o que você já acredita. O algoritmo trabalha com palavras-chave, costuma se pegar em palavras isoladas, especialmente palavras ou conteúdos que confirmam a sua opinião, sua crença. Qualquer divergência, pessoas com outras ideias ficam de fora. Você começa a se mexer só numa tal de bolha onde tudo é conforme o que você gosta e também o que você odeia. Mas olhar sobre a beirada do seu prato de vez em quando faz muito bem. Observar o que outras pessoas pensam, respeitar outras ideias é muito importante. 

Uma boa informação revela as suas fontes e mostra os seus interesses. Bons artigos usam sempre várias fontes e checam os fatos. Verifique a fonte do seu video-clipe, da sua notícia ante de passar para frente.

Antigamente as pessoas se mantinham atualizados sobre tudo que aconteceu no mundo, no Brasil e na sua cidade lendo jornal. O jornal tinha certa ética. Por exemplo, era mal visto publicar notícias que não eram verdadeiras. Claro que o jornalismo sensacionalista sempre existia, mas mesmo assim um jornal sempre tinha que mostrar as suas fontes. Poderia ser um jornal com interesses, por exemplo um jornal de direita ou de esquerda, trabalhando mais com conteúdos voltado para o seu público. Mas o que foi publicado normalmente passava por várias mãos que funcionava com um tipo de filtro.

Hoje em dia qualquer um pode fazer o seu jornal. Eu, por exemplo, posso escrever no Boto o que bem entendo. Ou quase. Tenho que respeitar toda aquela ladainha que está escrito do lado direito na pagina de abertura e se chama "Regras da comunidade"! Também me identifico com um, no meu caso mínimo, perfil. Além disso, o Boto preza a seriedade. Tudo que eu escrevo passa para outra pessoa que lê, verifica e só depois libera o texto. 

Fica a dica. Notícias falsas muitas vezes ocultam as suas fontes e interesses. Muitas notícias falsas vêm sempre dos mesmos grupos ou pessoas. Fake News não respeitam "regras da comunidade" nenhumas. Apostam num vale-tudo a favor do seu mito e contra os adversários desse mito.

O que as pessoas mais gostam, especialmente quando querem convencer alguém da sua opinião, postura, de um medicamento, uma cura, são "experts espertos". De preferência com um título de doutor ou professor, um deputado, sei lá.

Mas será que esses doutores e professores sempre tem razão? ou pior, tem currículo o tal CV e títulos de verdade? Se você desconfia, a primeira coisa que você deve checar é o currículo dessa pessoa. Se ele é acadêmico, terá mais informações sobre a carreira e seriedade dele no Currículo Lattes, http://lattes.cnpq.br/ . Outra fonte hoje estabelecida é o linkedin https://www.linkedin.com/help/linkedin/answer/8048/pesquisar-pessoas-no-linkedin?lang=pt Lá você pode verificar a expertise e a competência do seu especialista o tal de expert, para depois julgar se deve ou não acreditar no que ele está falando. Muito cuidado com os pseudo-experts. Pessoas que fingem que tem a resposta, mas infelizmente o seu currículo não convence. Ou pior, foram inventados só para dar um certo peso para um produto ou crença que alguém quer vender.

Muitos vídeos e outros conteúdos nas redes sociais falham na argumentação e lógica. Ou como a voz popular brasileira bem fala: Quando a esmola é demais, até o santo desconfia. 

Desconfie de simplicidade demais, por exemplo de curas milagrosas, de explicações sem fontes e especialmente das teorias de conspiração. Podem levar você para caminhos esquisitos. Eles tem um chamado uma atração bem particular, mas investigado um pouco mais fundo e com lógica, logo, logo perdem o seu brilho. O poder das redes sociais é gigante e já vimos que qualquer um com intenções boas ou muito maus consegue publicar o que bem entende. Mas se a argumentação do vídeo é muito vaga ou promete demais sem citar fatos ou mostrar resultados, desconfie. Também não cai nessa da grande conspiração. É raso demais. 

Quer acusar alguém? Denunciar algo? Exercer a sua liberdade de expressão? Respire fundo, faço um passo para trás ou dorme uma noite antes de escrever. Cuide do outro. Sempre é bom dar ouvidos a todos os lados envolvidos. Pontos de vistas diferem, variam. Não tem nada mais saudável e enriquecedor do que conhecer e respeitar a opinião alheia.

O exercício é muito fácil. Assuma o papel de cada um dos protagonistas do filme. Veste sua pele e sinta como ele deve se sentir. Pensa que você agora é o filho, depois você se transforma na mãe dele, no pai. Tenta ver com os olhos do professor e depois da diretora. E por ai vai. Mudando de ponto de vista de cada um você aumenta a sua visão. Um exercício muito válido que trabalha a alteridade.  Palavra difícil que expressa que o outro pode ser, é diferente e tem o direito de ser diferente. Alteridade reconhece que no mundo existem pessoas e culturas diferentes, cada uma com sua subjetividade. Eles pensam, agem e entendem o mundo cada um de sua maneira.  E acham saudável e normal que nem todos pensem igual. De novo - desconfie se alguém excluiu os outros. Tanto na política quanto na religião, por exemplo, há populistas que dizem que eles, e somente eles, representam o ‘verdadeiro povo’. Para eles, no entanto, o ‘povo’ não é formado por todos, e só por alguns do seu grupo de pensamento ou ideologia.

Dessa maneira evite qualquer discurso de ódio, racismo, supremacia branca, teorias da conspiração da extrema direita e desinformação. Exercer a alteridade é o primeiro passo para uma sociedade justa, equilibrada, democrática e tolerante.

Quer saber mais sobre Fake News? No You Tube tem muito mais:

 

Minuto da Checagem - Série lançada em 4 de outubro de 2019, um ano antes das eleições, conta com oito vídeos, disponíveis no canal oficial da Justiça Eleitoral no YouTube

E de repente começa novamente ler o bom, sério e nada antiquado jornal elaborado por profissionais. Nada melhor do que um artigo que investiga todos os lados de um problema. Hoje pode ser lido tranqüilíssimo na internet. Também tem jornais tão bons quanto sérios online. Boa leitura!

Todos nos sabem que fotos também podem mentir ou no mínimo omitir. Veja o vídeo da Deutsche Welle: Especial sobre Fotografia: o quanto de verdade existe em uma imagem?

https://www.dw.com/pt-br/especial-sobre-fotografia-o-quanto-de-verdade-existe-em-uma-imagem/av-54803897

 

 

O BOTO - Alter do Chão
Susan Gerber-Barata
Susan Gerber-Barata Seguir

Suíça com passagem por design e jornalismo de moda. Apaixonou-se tardiamente pelo Brasil e mais tarde ainda pela Amazônia, especialmente a culinária amazônica. Cozinha, escreve e fotografa livros, uns sobre culinária amazônica.

Ler conteúdo completo
Indicados para você