[ editar artigo]

Limpeza do Lago do Jacundá e da praia até o CAT

Limpeza do Lago do Jacundá e da praia até o CAT

"Hoje fizemos a limpeza do Lago do Jacundá, percorremos toda a beira do Lago e seguimos até a praia do Cajueiro. Ao todo enchemos mais de 20 sacos de lixo. Gostaria de agradecer a todos os comunitários que participam dessa ação em prol do nosso meio ambiente" - Pedro Rodé, presidente AMOJAC

Em um grupo de nove pessoas, a ação começou às 8h da manhã na boca do lago do Jacundá. 

Com muito lixo espalhado, o grupo se dividiu na primeira parte da manhã para recolher o lixo de todo entorno do lago.

Precisamos repensar coletivamente sobre embalagens não descartáveis e não retornáveis. Encontramos diversas garrafas de cerveja e vodka na praia. 

De toda forma, sem dúvida, as garrafas PET e embalagens de alimentos de origem plástica foram os lixos mais comuns. Pesquisas já apontam e confirmam nossa constatação.

O Brasil produz 11.355.220 milhões de toneladas de lixo plástico por ano, sendo o 4º maior produtor de lixo plástico do mundo. Inversamente, somos um dos menos recicla este tipo de lixo: apenas 1,2% é reciclado (145.043 toneladas) e 2,4 milhões de toneladas de plástico são descartadas de forma irregular. Os dados são do relatório “Solucionar a Poluição Plástica – Transparência e Responsabilização", da WWF.

 

O casal Simone e Jorge Oliveira, incansável e com boas histórias sobre meio ambiente e gestão ambiental. 

Jean não parou um segundo, recolhendo de tudo que via pela frente. E tinha bastante saquinho plástico, pets, até mesmo fraldas...

Você sabia que em 2050, pesquisas apontam que se não pararmos a produção de embalagens plásticas não-descartáveis teremos mais plástico que peixe nos oceanos? Essa é a previsão da Fundação Ellen MacArthur, divulgada em janeiro do ano passado no jornal britânico The Guardian (https://goo.gl/f4b4C9).

Orlei Vasconcelos resgatou lixo que estava dentro do lago

Simone e Jorge Oliveira, sempre juntos

Orlei Vasconcelos, Maico (Esmaelino Santos) e Gedeilson Silva

Patrícia Kalil e seus cachorros chegaram por volta de 10h para fazer a praia até o CAT 

E assim o grupo seguiu até o CAT, conversando sobre a crise mundial do lixo e curtindo a caminhada juntos.

Pesquisas apontam que apesar da demanda crescente por reciclagem, mais de 70% de todo plástico usado ainda acaba no meio-ambiente (40% em lixões e 32% nos oceanos). É urgente uma ação conjunta entre governos do mundo todo, fabricantes de embalagens e consumidores. Um simples saquinho plástico jogado fora tem 70% de chance de acabar como lixo na natureza. -

Mais ou menos por volta de 12h, com o sol já quente, o grupo chegou ao CAT

Simone e Jorge sempre de bom humor contando boas histórias

Pedro Rodé e Maico Santos, satisfeitos com a caminhada.

E fica aqui o apelo da AMOJAC para que todos aproveitem a praia mas que não esqueçam seus resíduos na areia. 

 

 

Ler conteúdo completo
Indicados para você