[ editar artigo]

Balão de São João

Por Eduardo Serique

A noite de São João é tão boa,

Que até dá vontade de pedir a Deus

Que ela nunca acabe.

Não acaba nunca, Deus,

Com essa festa!

As pessoas dançando

Ao redor da fogueira,

O fole que não para de tocar,

O sorriso estampado

No rosto de toda gente,

Vê, Deus, quanta alegria,

Não acaba nunca, Deus,

Com esse dia!

A única vez que me ocorreu ser feliz

Era noite de São João:

O casamento na roça,

Lembro ainda,

A noiva de véu e grinalda,

As moças vestindo xita,

Os mancebos de cambraia,

As quadrilhas,

Os cordões de pássaro,

As guloseimas,

Fogos em profusão

Estourando no céu.

Eu olhava e pedia:

Não acaba nunca, Deus, este dia.

Não acaba nunca, Deus,

Essa felicidade sem medida,

Esse fogo ardendo

Cá dentro de mim,

Não apaga, Deus.

Deixa-me voar, Deus, eu pedia,

Deixa-me subir no céu,

Olhar as estrelas bem de perto,

E ver lá de cima

O mundo em festa

Como se amanhã não mais houvesse.

Deixa-me subir, Deus,

Deixa-me subir

Um pouco mais ainda,

Que eu me sei balão

De São João.

E antes mesmo da noite finda

Nada restará de mim,

Eu sei,

Nada restará senão

Um vil punhado de cinza.

TAGS

poesia

O BOTO - Alter do Chão
O BOTO
O BOTO Seguir

O BOTO é o jornal comunitário de Alter do Chão, em Santarém/PA, e região. Os repórteres, fotógrafos e colunistas são moradores. Os assuntos são escolhidos pelos próprios colaboradores.

Ler matéria completa
Indicados para você